sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Huayhuash - Dia 7, por Fábio Fliess


Dia 10 de agosto!!

Mais um dia em Huayhuash. O dia de subir o Diablo Mudo se aproximava e as bolhas continuavam a me incomodar. Acordei preocupado e com pouca paciência. Às 6h30 já tinha terminado a enfadonha tarefa de arrumar os equipamentos. Segui para o café, e pouco tempo depois já estávamos novamente na trilha, com a promessa de um dia muito bonito pela frente.

Como o passo a ser vencido é relativamente tranquilo, vou caminhando mais devagar que de costume, e tiro muitas fotos. A subida é realmente suave, e o vale me rende ótimas fotos. O Gilmar, depois de caminhar um pouco, acabou aceitando usar o cavalo.

Com cerca de 2h e 20m, chegamos ao passo de Punta Tapush (4800m). O visual do passo é fantástico. Do nosso lado direito, já podíamos ver o cume do Diablo Mudo, totalmente nevado. Não conseguimos ficar muito tempo no alto do passo, porque ventava uma barbaridade.

Começamos a descer, contornando a bonita laguna Susococha. Um outro grupo, composto por espanhóis, nos acompanhava. O Luís, sempre brincalhão, ficava incitando os espanhóis a subirem “ahorita” a montanha. Com a óbvia recusa, chamava todos de “maricones”.

Conforme “prometido” pelo Diogenes, às 11h15 já estávamos no acampamento. Enquanto aguardava o almoço, aproveitei o riacho próximo para um verdadeiro “banho de gato”. Sete dias longe da civilização já cobravam seu preço!

Aproveitamos uma rara tarde livre para descansar. Como eu sabia que não conseguiria dormir, fiz caminhadas próximas ao acampamento, tirei fotos e aproveitei para contemplar nosso objetivo do dia seguinte.

Quando o Diogenes nos chamou para o lanche, comentei que não sabia se iria subir a montanha, pois minhas bolhas estavam incomodando bastante. Caminhar 10 horas com bolhas não era exatamente minha idéia de diversão. O Diogenes, para tentar levantar meu astral, comentou que eu estava forte e conseguiria caminhar todo o trecho numa boa. Apesar da óbvia desistência do Gilmar, a Alê disse que nos acompanharia na escalada. Seríamos nós dois e os espanhóis Alberto e Maria. Teríamos apenas que aguardar a chegada dos equipamentos que alugamos (piolets, crampons etc) e combinamos de serem entregues no acampamento.

Às 18h, os equipos finalmente chegam e o Diogenes faz um rápida demonstração do uso de alguns nós mais importantes. Aproveitamos para experimentar os crampons e escolher os piolets.

O Diogenes aproveitou para nos avisar que havia conseguido contato com o Scheler, e este lhe disse que o Rafael havia chegado em Huaraz, estava hospedado no hotel Los Portales e se recuperando bem.

Enquanto esperava pelo jantar, tirei um número enorme de fotos do Diablo Mudo. Com a ansiedade pela escalada aumentando, comecei a separar os equipamentos que usaria no dia seguinte.

Jantamos às 19h em meio a um evidente clima de apreensão. Logo voltamos para as barracas e rapidamente o acampamento ficava em silêncio. Como a intenção do nosso guia era sair no máximo às 1h30 da madrugada, todos tentaram dormir mais cedo. Eu ainda fiz um último check list dos equipamentos, separei as roupas da escalada, e tentei dormir um pouco.

Mas quem disse que eu conseguia dormir???

Um comentário:

guerreirofd disse...

Nossa quanta espectativa...
As fotos ficaram maravilhosas.
Imagino até o friozinho na barriga da ansiedade.
Final de mais um dia, parabéns!
Beijão